Quem sou eu

Minha foto

Sou Fotógrafo Profissional, Sertanista e atualmente trabalho com fotografia de Eventos Sociais em SP.
Tecnologia do Blogger.

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Sumaúma: a árvore que armazena água

As suas raízes tubulares em determinadas épocas rebentam, irrigando toda a área em torno dela e o reino vegetal que a circunda. É conhecida como "Árvore da Vida" ou a "escada do céu".
A sumaúma, também chamada de mafumeira (Ceiba pentandra) é uma planta tropical da ordem Malvales e da família Malvaceae (antiga Bombacaceae), nativa do México, da América Central, das Caraíbas, do norte da América do Sul e (com a variedade C. pentandra var. guineensis) da África Ocidental. É a árvore oficial de Porto Rico.
Entre os nomes por que é conhecida em diversos países, estão: sumaúma (em tupi), paina lisa, árvore da seda, kapok, pulin, malpanka, ora, bongo, kumaka, lupuna. Em São Tomé e Príncipe é conhecida por ocá e na Guiné-Bissau por poilão.
Características
A sumaúma (na foto acima os frutos da árvore) cresce entre 60–70 m de altura e o seu tronco é muito volumoso, até 3 m de diâmetro com contrafortes. O tronco e muitas das pernadas maiores estão rodeadas de enorme quantidade de espinhos simples, muito grandes e robustos. Alguns exemplares chegam a atingir os 90m de altura, sendo, por isso, uma das maiores árvores da flora mundial.
As folhas são compostas por 5 a 9 lóbulos, cada um com cerca de 20 cm. As árvores adultas produzem frutos que contêm as sementes rodeadas por uma fibra macia, amarelada que é uma mistura de linho e celulose.
Utilização
Esta planta é conhecida também por algodoeiro por causa das fibras de suas sementes, (na foto ao lado as Sementes de Mafumeira no meio da Sumaúma.) inclusive a palavra sumaúma ou samaúma é usada para descrever a fibra obtida dos seus frutos.  Encontra-se uma fibra similar no Índico Bombax ceiba (também conhecida como Bombax malabaricum ou seda de algodão-árvore). É denominada sumaúma indiano e é de cor mais escura e menos versátil do que a variedade original.
A fibra é muito leve, altamente inflamável e resistente à água. O processo de separação da fibra é manual. É usada como uma alternativa ao algodão para encher almofadas, colchões (antigamente) e para isolamentos. Na actualidade, a sumaúma foi substituída por materiais sintéticos. As sementes produzem um óleo usado para fabricar sabão e também são usadas como o fertilizante.
Nos Países do Sudeste Asiático, a mafumeira tem uma casca maior e as sementes, altamente inflamáveis, são usadas como combustível. Na Tailândia têm o nome de 'taban fai. O óleo das semente é também utilizado na indústria culinária e medicina.
A mafumeira é cultivada, para fins comerciais, em Angola, Ásia, nomeadamente em Java, Filipinas, Malásia, Indonésia e também na América do Sul.
Uso medicinal
O chá de casca da Ceiba pentandra, é atóxica e utilizada para tratar as diabetes do tipo II. (na foto acima as flores da planta)
Em sistemas de medicina tradicional as diferentes partes (folhas, caules, raízes) desta planta é indicada ainda para o tratamento de uma série de doenças como: de bronquite, diarréia, disenteria, doenças de pele, inflamações e furúnculos (em emplastros), artrite, doenças oculares dolorosas (conjuntivites), dores de cabeça, febre crônica, picada de inseto e ainda como diurético e afrodisíaco. Todas as partes desta planta, isoladas ou combinadas, têm inúmeras atividades terapêuticas para o tratamento da referida variedade de doenças já descritas.
A Yaaxche, seu nome em Maia, era considerada uma árvore sagrada naquela mitologia pré colombiana. A casca também é usada como aditivo para algumas versões da bebida enteógena Ayahuasca.
A Samaúma na Amazônia
Os indígenas da Amazônia consideram-na a "mãe-das-árvores", as suas raízes tubulares são também chamadas de sapopembas, que em determinadas épocas rebentam irrigando toda a área em torno dela e o reino vegetal que a circunda. É conhecida como "Árvore da Vida" ou a "escada do céu", o seu diâmetro de porte belo e majestoso unido às sapopembas (raízes), muitas vezes formam verdadeiros compartimentos, transformados em habitações pelos indígenas, caboclos e sertanejos. Ao sobrevoar a região amazônica, qualquer um, mesmo sem conhecer a árvore é capaz de a identificar e captar a sua energia. A sua altura, porte e beleza é o destaque na imensidão da flora amazônica. (na foto acima a Samaúma já adulta, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro) - Fonte da matéria e fotos:https://pt.wikipedia.org/wiki/Mafumeira

0 comentários:

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Conheça o projeto EcoVida

Postagens populares

Seguidores