Quem sou eu

Minha foto

Sou Fotógrafo Profissional, Sertanista e atualmente trabalho com fotografia de Eventos Sociais em SP.
Tecnologia do Blogger.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Um aluno diferente

A professora levou seus alunos até os jardins do colégio para lhes falar sobre a natureza mostrando-lhes a natureza viva.
Aproximou-se de um flamboyant, coalhado de flores, e perguntou aos alunos que árvore era aquela.
Alguns, disseram que era uma árvore, apenas. Outros, que aquela árvore era um flamboyant, pois em sua casa havia um semelhante.
Uma menina falou que os flamboyants só servem para fazer sujeira na calçada, quando derrubam as flores, pois isso é o que sua mãe diz sempre.
Um garoto disse que seu pai havia cortado um, recentemente, pois suas raízes racharam o muro de seu quintal.
Mas Pedro, menino de alma sensível, começou dizendo que via ali muito mais que uma árvore.
Disse que via as flores, muito belas por sinal, mas que também podia sentir seu suave perfume.
Chamou atenção para as abelhas que pousavam de flor em flor, e também dos pássaros que buscavam refúgio em seus galhos aconchegantes.
Lembrou que todos estavam sob a sombra generosa que as folhas propiciavam, e apontou para alguns insetos que passeavam, ligeiros, pelo tronco gentil.
Falou, ainda, das muitas vidas que encontram guarida naquele flamboyant desprendido, como liquens, musgos, pequenas bromélias e outras tantas formas de vida que se podia perceber.
"Eis o que percebo, professora", falou Pedro, com a espontaneidade de um pequeno-grande poeta.
A educadora, ainda embevecida com a aula que acabara de receber, falou amavelmente: "você tem razão, Pedro. Definir este pequeno universo simplesmente como uma árvore, é matar toda a sua grandeza e majestade."

*****
Existem pessoas que não percebem os flamboyants floridos em praças, bosques e ruas. Elas são muito ocupadas para perder tempo com coisas sem importância. Tem pessoas que definem flores e folhas apenas como sujeira indesejável.
Outras preferem cortar árvores de dezenas de anos, para que não rachem seus muros e calçadas de cimento.
Existem também aquelas para as quais os flamboyants representam alguns cifrões. Cortados, poderiam oferecer madeira para lenha ou se transformar em belos móveis.
E há aquelas pessoas, como o pequeno Pedro, que vêem muito mais que uma simples árvore. Vêem o autógrafo do Criador, na majestosa obra da natureza.

******
Reverenciar a vida é respeitá-la na sua mais ampla forma de expressão.
Albert Schweitzer, o notável e mundialmente famoso missionário, médico, musicista e filósofo da Alsácia, conta, em seu livro autobiográfico intitulado Minha infância e mocidade:
Achava inconcebível antes mesmo de frequentar a escola que, na oração da noite, só me mandassem rezar pelos homens.
Por isso, depois de mamãe orar comigo e dar-me o beijo de boa noite, eu acrescentava, por conta própria, uma pequena oração suplementar, de minha autoria, em nome de todos os seres humanos, dizendo:
Bom Deus, protegei e abençoai tudo o que respira, preservai-nos do mal e fazei-nos dormir tranquilamente!
Um garoto de apenas sete anos de idade, com uma consciência lúcida sobre o que é reverenciar a vida.
Apenas um menino, mas certo de que amar a Deus sobre todas as coisas quer dizer, em primeiro lugar, respeitar Sua obra e todas as coisas por Ele criadas.

Imagem Ilustrativa: Fotografia de Luis Leite em Guaxupé MG
Redação do Momento Espírita, com base no livro Minha infância e mocidade,de Albert Schweitzer,  ed. Melhoramentos. Em 9.8.2012.
Link:http://www.momento.com.br/pt/ler_texto.php?id=3532&stat=0

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Chá Levanta Defunto

Ingredientes
2 copos de água
50 g de gengibre em fatias
Folhas de coentro a gosto 

Pimenta vermelha picada a gosto, sem sementes
1 dente de alho cortado em pedacinhos

2 colheres de chá de mel
Modo de preparo
Numa panela coloque todos os ingredientes, misture bem e em seguida leve ao fogo alto.
Após ferver, deixe por mais 10 minutos no fogo, desligue.

Beba quente de preferência.

Conheça o Abricó de Macaco

Fotografia de César Reis 
O Abricó de macaco dá flores e frutos bonitos e vistosos mas não é comestível para humanos. Apenas macacos e alguns animais conseguem comer o fruto. Embora não seja venenoso, tem um forte mau cheiro  Ele não é venenoso, mas quando o fruto é cortado, exala um mau cheiro terrível, tornando impossível ser comido por humanos.Macacos adoram esse fruto.  
 O abricó-de-macaco (Couroupita guianensis Aubl.; Lecythidaceae), também conhecido pelos nomes populares castanha-de-macaco, cuia-de-macaco, macacarecuia, maracarecuia, amêndoa-dos-andes e amendoeira-dos-andes, é uma espécie de árvore originária da Amazônia que tem frutos redondos que pendem em cachos e flores exuberantes. É bastante usada em paisagismo urbano e em fazendas. Possui altura média entre 8 e 15 metros, fruto tipo baga, grande e redondo, e suas flores, muito perfumadas, saem diretamente do tronco.
Etimologia
"Abricó" se originou do francês abricot. "Castanha" se originou do grego kástanon, através do latim nux castanea, "noz de castanheiro". "Cuia" se originou do tupi ku'ya. "Amêndoa" e "amendoeira" se originaram do grego amygdále, através do latim amygdala.
O seu nome científico, Couroupita guianensis, foi dado pelo Botânico francês Jean Baptiste Christophore Fusée Aublet em 1755. É conhecida pelo nome vulgar cannonball tree, numa referência aos enormes frutos esféricos.
Fotografia de Arnaldo Silva
Ocorrência
Nas Américas do Sul e Central, em regiões tropicais, incluindo toda a Amazônia, na mata semidecídua de terras baixas, em margens inundáveis. Nativa em: Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Panamá (onde está em perigo crítico), Peru, Suriname, Venezuela.
É amplamente cultivada fora de sua abrangência nativa. Na foto abaixo, tronco da árvore no Jardim Botânico do Rio de Janeiro com os frutos aparentes. (Fonte das Informações: Wikipédia)

domingo, 8 de outubro de 2017

Aprenda cultivar horta orgânica utilizando água

Imagine que você tem um legume em suas mãos que nunca vai se estragar porque ele sempre pode "reviver".
Iremos ensinar algumas técnicas que você pode usar, quando um vegetal estiver brotando, para aproveitá-lo ainda mais.
São processos simples e não custam muito tempo.
Na verdade, para cada dica, você só vai precisar realizar uma etapa.
Aprenda e ensine para as crianças, pois esses momentos são mágicos.
1. Cebolinha
Deixe crescer uns 3 centímetros de raíz e coloque a cebolinha num copo pequeno com um pouco de água.
Em seguida, coloque o recipiente num ambiente bem iluminado e espere o milagre da natureza.
2. Alho
Assim que ele começar a brotar, você deve colocá-lo num copo com um pouco de água e esperar que os brotos cresçam.
Esses brotos de alho podem ser usados em massas, saladas e outros pratos, pois eles têm sabor mais suave do que o alho.
3. Chingensai (ou acelga-chinesa)
Tudo o que você precisa fazer é colocar a raiz num recipiente com água - deixando num lugar bem iluminado.
Passada uma semana, transfira o vegetal para um vasinho com terra e espere crescer uma nova cabeça de chingensai.
4. Cenoura
Esta é bem interessante.
Pegue as extremidades da cenoura e coloque-as num prato cheio de água - deixe o recipiente perto de uma janela onde bate sol.
Passado algum tempo, você pode aproveitar as folhinhas da cenoura em suas saladas.
5. Manjericão
Corte pedaços de manjericão do tamanho de 7 a 10 centímetros.
Feito isso, coloque-os num copo cheio de água e leve para uma região iluminada.
Observe bem as raízes, quando elas atingirem o tamanho de 5 centímetros, plante-as num vaso com terra e espere que as plantas do manjericão cresçam.
6. Aipo
Corte a extremidade do aipo e o coloque num pires ou em alguma tigela rasa.
Depois, encha o recipiente com água e leve-o para uma área iluminada.
As folhas vão crescer e se multiplicar
Quando isso acontecer, transfira tudo para um vaso com terra.

Fonte:http://www.curapelanatureza.com.br/post/04/2017/aprenda-cultivar-sua-propria-horta-organica-em-casa-simplesmente-utilizando-agua

sábado, 7 de outubro de 2017

Suco de Milho

Este suco combate o mau colesterol, o envelhecimento precoce e protege o coração.
Junho e julho no Brasil - especialmente na Região Nordeste - é tempo de comemoração.
É tempo das festas juninas ou julinas.
O período coincide com a safra de milho, o que faz com que essas festas tenham mesas repletas de comidas à base do cereal: bolos, pamonha, canjica...
São muitas as delícias que têm o milho como o ingrediente principal.
Infelizmente, hoje a produção de milho no Brasil é quase toda transgênica.
Mas procurando em mercados alternativos (como feirinhas de produtos orgânicos) você encontra milho não transgênico e, o melhor, sem pesticidas e outros venenos.
Vale a pena procurar o milho orgânico e até mesmo pagar mais por ele.
Quer bons motivos?
Lá vai...
O milho é um cereal muito nutritivo.
Ele é rico em aminoácidos como o triptofano e lisina, além de fósforo, magnésio, ferro, potássio, cálcio, vitaminas A, B1 e E, carboidratos, fibras e muitos outros nutrientes que são capazes de proteger o sistema reprodutor, tonificar os músculos do coração, garantir a potência sexual e ajudar o sistema digestivo.
Ele é antioxidante, ou seja, combate o envelhecimento, atua no sistema nervoso, diminui o colesterol.
O milho ainda previne a fadiga, pois é rico em carboidratos, uma excelente fonte de energia.
E quem sofre com prisão de ventre pode incluí-lo em seu cardápio, porque é rico em fibras e garante o bom funcionamento do intestino.
Procure consumir milho fresco, e não em conserva, que geralmente tem alto teor de sódio.
Em resumo, os principais benefícios do milho à saúde são:
- prevenção à ação dos radicais livres;
- auxilio ao funcionamento do intestino;
- redução dos níveis do colesterol ruim;
- redução dos níveis de glicose no sangue;
- prevenção de problemas cardíacos;
- fonte de betacaroteno, fibras e vitaminas;
- ajuda a metabolizar gorduras de forma mais rápida;
- prevenção de prisão de ventre.
O milho pode ser consumido de diversas formas: cozido, assado, como bolo, canjica, pamonha, polenta, cuscuz...
Uma receita simples e muito saborosa é o suco de milho verde.
Vamos aprender a fazê-lo?
INGREDIENTES

6 espigas de milho verde
2 litros de água de coco (ou de leite de cereais)
3 xícaras (chá) e meia de água
Meia xícara (chá) de açúcar mascavo ou estévia
MODO DE PREPARO
1.
Retire os grãos das espigas cortando com uma faca.
2. Coloque os grãos no liquidificador junto com 4 xícaras (chá) de água de coco ou leite de cereais e 1/2 xícara (chá) de água.
Bata até ficar uma mistura homogênea.
3. Passe pela peneira e coloque numa panela.
4. Adicione o açúcar ou a estévia e leve ao fogo baixo, sem parar de mexer, por 30 minutos ou até engrossar bem.
5. Deixe esfriar e bata novamente no liquidificador, junto com a água de coco e a água restantes.
Sirva gelado.


Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.
Fonte:http://www.curapelanatureza.com.br/post/07/2017/este-suco-destroi-o-mau-colesterol-protege-o-coracao-e-impede-o-envelhecimento-precoce

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Conheça o projeto EcoVida

Postagens populares

Seguidores